Carlos Roberto Osório: transporte público em um novo patamar

osorio smtr

Rio Cooperativo – Em 2012, o senhor assumiu a Secretaria Municipal de Transportes. Qual o balanço deste tempo no cargo?

Carlos Roberto Osório – É uma responsabilidade grande, mas vejo com otimismo o caminho que a gente pode alcançar. Com certeza, o Rio de Janeiro tem grandes desafios na área de transportes e decidimos enfrentar isso de duas maneiras: investindo no transporte público de alta capacidade e qualificando o sistema de táxi com novas tecnologias. Ao longo de 2013, a Prefeitura quer avançar na qualificação da frota de táxis e na valorização do taxista.

RC – Quais os principais desafios para ordenamento do trânsito na cidade?

Osório – Atualmente, apenas 20% das viagens totais na cidade são feitas por transporte público de alta capacidade (trem, metrô e BRT). Temos um plano ambicioso para mudar essa realidade até 2016, passando de 20% para 63% das viagens por transporte público de alta capacidade. Uma das metas do prefeito Eduardo Paes é elevar o transporte a um novo patamar. Mais da metade dos investimentos de infraestrutura que estão sendo feitos no Rio de Janeiro, por ocasião dos Jogos Olímpicos, estão na área de transporte e mobilidade. Isso significa a construção de quatro corredores BRTs (Transoeste, Transcarioca, Transolímpica e Transbrasil), a expansão do sistema metroviário até a Barra da Tijuca e uma melhoria na qualidade do sistema de trens urbanos da cidade, além do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), no Centro.

RC – No que se refere às obras viárias da cidade, qual o principal objetivo da Prefeitura com as obras (corredores e aberturas de novas vias)?

Osório – O objetivo é mudar a estrutura de transporte do Rio, fazendo com que o sistema predominante atual, que é o de ônibus comuns, torne-se um sistema de apoio ao sistema principal, que são os grandes corredores. Com isso, teremos um impacto produtivo no trânsito, mais qualidade, mais conforto e menor tempo de deslocamento dos nossos cidadãos. Com os investimentos tos realizados na área de transporte, vamos sair de 2016 com um imenso legado: teremos uma cidade com uma mobilidade melhor resolvida, com melhor qualidade de vida e mais competitiva para o futuro.

RC – Em abril, a fiscalização contra táxis piratas ficou mais firme na Rodoviária Novo Rio. Qual o balanço desta ação?

Osório – Desde o dia 8 de abril a Prefeitura implantou um novo sistema de fiscalização de transportes 24 horas no Terminal Rodoviário Novo Rio. Pelo novo esquema, fiscais da SMTR, divididos em turnos, atuam de forma permanente na rodoviária para fiscalizar e vistoriar táxis e ônibus, coibir cobrança irregular, táxis piratas e carros particulares fazendo transporte ilegal de passageiros.

RC – Qual o feedback recebido pelos profissionais do táxi?

Osório – Tenho recebido um retorno muito positivo dos taxistas, que têm demostrado satisfação em perceber nosso trabalho de ordenamento do sistema. Ganha o passageiro, ganha o bom taxista, é um benefício para a cidade inteira.

RC – Como avalia o trabalho das cooperativas de táxis na cidade do Rio de Janeiro? O que pode ser melhorado?

Osório – O sistema de táxi da cidade é muito importante e acreditamos que ele pode ser melhorado, valorizando o profissional e qualificando o serviço. Estamos trabalhando para isso. Lançamos a Operação Táxi Legal para proteger e valorizar o bom taxista, tirando de circulação os táxis piratas, os fantasmas (particulares que fazem irregularmente o serviço de táxi) e ilegais. Desde novembro de 2012, 12.017 táxis foram fiscalizados, sendo 1.711 lacrados e 201 rebocados. Vamos melhorar ainda mais. A SMTR criou um grupo de trabalho para analisar o Código Disciplinar do Táxi, que é de 1970, ou seja, inadequado e que não atende aos interesses da categoria nem dos passageiros. Vamos fazer a reformulação a quatro mãos, contando com o apoio dos taxistas. O objetivo é possibilitar a valorização, qualificação e crescimento do profissional e, por outro lado, garantir um melhor serviço ao passageiro.

RC – Em julho será realizada a Expotáxi RJ – Feira de Fornecedores de Produtos e Serviços do Ramo Táxi, Frotistas e Similares, com o apoio da Secretaria Municipal de Transportes e terá como foco principal a capacitação profissional. Na sua visão, qual a importância da realização da feira? Quais serão os benefícios desse evento para a cidade?

Osório – Eventos como a Expotáxi RJ são muito importantes porque possibilitam reunir a classe. Os taxistas podem trocar experiências, informações e ter acesso a novas tecnologias, valorizando a categoria e garantindo, principalmente, um futuro melhor para o profissional, além de melhorar a prestação de serviço.

RC – Nos próximos meses quais serão as ações da Secretaria de Transporte?

Osório – Estamos trabalhando para concluir a reformulação do Código Disciplinar do Táxi e, assim, valorizar o taxista e ajudar na qualificação do profissional, protegendo o sistema.

Leia edição completa nº 17 da Rio Cooperativo aqui 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


%d blogueiros gostam disto: